quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Pensando (divagando?) em 3 linhas

Sonhar ou realizar?
Os dois, desde que o esperar
Não seja afetado pelo desesperar.

Pensar ou fazer?
Os dois, desde que o saber
Não deixe esperar acontecer.

Perdoar ou esquecer?
Os dois, desde que arrefecer
Não signifique apenas esconder.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Mantra

Vamos logo, sem paredes.
Sou jovem, sou forte.
Eu posso.
Completamente protegido.
Completamente atraente.

Tudo vai dar mais que certo.
Já passou, já está melhor.
Já melhorou, já melhorei.
Andar com fé. Viver sempre de pé.
Vamos, você vai conseguir.
Já conseguiu.

Te querer.
Te quero.
Muito.
Inteira. Completa.
Agora. Agora mesmo. Já.
Já está comigo. Já te tenho.

Mas, triste fico,
Só te tenho, te possuo,
Te consumo
Em meus mantras
Em minhas esperanças
No âmago do meu ser.

E continuo desejando,
Pensando, querendo,
Mas nunca podendo
Além de mim,
Te ter.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

"Aforismo sem juízo" do dia

É triste afirmar, mas adventos tecnológicos como a internet e o
celular (também) mostram e intensificam a involução do ser humano.

domingo, 19 de agosto de 2012

Escrito à mão


Já é estranho escrever à mão.
Ainda mais estranho, parece,
Escrever sobre a falta que alguém,
A falta que você (me) faz.
Respiro fundo.
Será que conseguiremos
Contar os anos que se passaram,
Mensurar as perdas? Acho que não.
Mas, assim como o sentimento,
Estas palavras ficarão aqui,
Buscando o perdão que não fomos capazes de reconhecer.

E, pelo menos aqui,
Eu e minha caneta,
Em minha escrita,
Estamos juntos,
Agora
E em todas as vezes
Que um luar ou uma bela canção
Inspirar a nós, ou a qualquer um
Que queira ousar
Escrever, descrever, dissecar
Seus sentimentos,
Todas as palavras
À mão.


(Inspiração: The Gaslight Anthem - "Handwritten" - 2012)

terça-feira, 27 de março de 2012

Divagar, sem citar =)

Às vezes, quero invadir teu sentimento.
Mostrar o que sinto, todo meu tormento - a tristeza de uma possível despedida, a ida, o que quero, o que já prevejo, a paixão de um possível beijo.
Mas é aí que me vejo incapaz, nada sagaz, e tudo o que tenho a dizer começa a esvair-se. Com a lágrima a cair, se mostra o sentir, se demonstram as fraquezas, ou então fortalezas, e todas as minhas proezas se acabam no chão, sem perdão, sem reconsideração. Louco que sou, prefiro ser o que é pra ser sentido, vivido, e não o que é visto, primeiramente, prontamente bem-quisto. Quero que me queiras com vontade, com alarde, e não sendo refém ou com desdém. Desde já, ao te tocar, que seu olhar possa me dizer tudo como da primeira vez, sensatez, tês com tês. Na sua mão, minha mão, coração, tesão, reflexão. Quão descrentes serão os presentes, os ausentes, nubentes ou não, essa gente, que não sabe, não vê, que o que sentimos é nosso, é um troço, qualquer coisa nossa, e que então possa sentir isso quem se sujeitar a aceitar as vicissitudes do ter, do querer, sem possuir, sem fingir sentir.
Termino a página e, sem querer, imagina, quis definir o que me fez refletir, até mesmo divagar, devagar, sem citar a palavra que me fez começar a pensar em um jeito verdadeiro, nada derradeiro, de te.

sábado, 13 de agosto de 2011

Disputa, início, caçada, ver, esperar

Uma pedra bruta,
Um dia de labuta,
Uma não tão justa permuta.

Será que o meu sacrifício
É tão maior que um suplício
Para que nem tudo seja assim difícil?

As manhãs calam os gritos da madrugada,
A fúria descontrolada,
A quietude disfarçada.

Espero que o escolher
Seja tão belo quanto o colher,
Que seja, pelo menos, merecer.

E, sem desesperar,
Que o viver possa, cada vez mais, inspirar,
E o amar, completar.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Haikais da Madrugada

Te amo muito,
Sem ser fortuito.
Amor gratuito.

Sua simpatia
Só me cria empatia,
Gosto de ti mais do que queria.

Vou embora, tenho que ir.
Mas espero te ver sem pedir,
Pra, de novo, bem eu me sentir.